Informática Nos Concursos Públicos

Tempo de leitura: menos de 1 minuto

Questões de Informática aparecem pouco nas provas de concursos públicos, mas, via de regra, surpreende os candidatos. Os editais parecem incluir apenas temas importantes da matéria para o dia-a-dia daqueles que forem aprovados, mas na hora da prova… Os inexperientes em concursos ficam desconsertados com o que encontram. Parece que, dentre tantas coisas importantes e práticas que poderiam ser perguntadas, os enunciados reviram do avesso a Informática. Aqueles que batalham há algum tempo para ingressar na carreira pública já não se assustam.

Informática não é difícil, nem a Informática da forma como é abordada nas provas dos concursos públicos. Nessa situação o computador é de papel, o mouse e o teclado também são de papel, e é o candidato que tem de assumir a função de computador e dos programas para acertar as respostas. Em provas teóricas, aquela forma instintiva como um usuário de computador atua na prática, procurando comandos em menus, fazendo e desfazendo até dar certo, não resolve.
É preciso saber exatamente o que o hardware ou o software executa numa dada situação para chegar à resposta certa.

Receitas milagrosas para gabaritar as questões de Informática podem até ser oferecidas, mas, por trás das melhores, sempre tem muito estudo. Só para frisar: muito estudo! Um bom começo para obter um bom resultado é verificar qual é a instituição que está organizando o concurso.

Cada uma delas segue um estilo próprio, que não tem passado por variações abruptas. Não é só a forma como as questões são apresentadas, com enunciados e alternativas, mas também os temas mais utilizados. A lista de temas de Informática nos editais é sempre parecida, mas cada instituição parece focar com mais freqüência apenas alguns deles.

Em algumas provas, apesar do edital ter uma lista enorme de temas, a maior parte das questões vai ser sobre hardware, redes e segurança de sistemas. Em outras, a maior parte vai ser sobre aplicativos e internet. Isso não significa que essas instituições não troquem os principais assuntos das provas, só para surpreender aqueles que se acomodaram em estudar o mais provável. Ajuda bastante investir o tempo de estudo em um tema mais provável, mas sem descuidar dos demais. Quem já fez algumas provas, também já percebeu que, em geral, as questões não estão diretamente relacionadas com o conhecimento de Informática supostamente necessário para exercer o cargo pretendido. As questões estão ali com a finalidade de eliminar uma massa de candidatos que têm de ficar de fora, já que não há vagas para todos.

Saber detalhes de configuração de um barramento PCI ou do funcionamento interno de um microprocessador não significa estar mais apto para exercer uma função na área fiscal, mas serve para passar no concurso! Usar smiles em mensagens instantâneas também não distingue o potencial de um escriturário, mas serve para passar no concurso 😉

Não adianta achar absurdo e resmungar!

O melhor é aproveitar toda a informação disponível, tirar dúvidas, animar-se a revisar aquela parte mais chata da matéria, estudar bastante e… estudar bastante!

por uma boa causa.

Creia. É possível.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *